Relatório da PF aponta que ministro da Lula controlava licitações fraudadas

Créditos: Bruno Spada/Câmara dos Deputados
Créditos: Bruno Spada/Câmara dos Deputados
COMPARTILHE
18/06/2024 11:07 | 2 min de leitura


A Polícia Federal (PF) relatou que o ministro das Comunicações, Juscelino Filho (União Brasil), teria controlado licitações que favoreceram a empresa Construservice, ligada ao empresário Eduardo José Barros Costa, conhecido como “Eduardo DP”. Juscelino é investigado por suspeita de envolvimento em desvios de emendas parlamentares durante seu mandato como deputado federal. A investigação aponta que ele influenciou processos de contratação para obras públicas em Vitorino Freire, cidade onde sua irmã é prefeita, incluindo cláusulas restritivas de competição.

Mensagens trocadas entre Juscelino e Eduardo DP entre 2017 e 2020, período em que Juscelino era deputado federal, revelam discussões sobre a destinação de emendas e execução de obras. O relatório enviado ao ministro Flávio Dino, relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF), afirma que Juscelino tinha controle das licitações envolvendo empresas de Eduardo DP. A defesa de Juscelino nega irregularidades, alegando que as conversas são anteriores aos processos de licitação e que ele apenas indicava emendas parlamentares, sem influenciar na execução das obras.

A PF indiciou Juscelino por organização criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção passiva, apontando seu envolvimento em desvios de emendas enviadas quando era deputado federal. Parte do dinheiro foi usado pela estatal Codevasf para pavimentar uma estrada que beneficia a fazenda de Juscelino em Vitorino Freire, com custo de R$7,5 milhões, executada pela Construservice. O relatório da PF foi encaminhado ao STF, e a Procuradoria-Geral da República deve se manifestar sobre as conclusões do inquérito.

Fonte: Portal Grande Ponto

Leia também